Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Superintendência do Cade instaura processo contra operadores portuários de Itajaí (SC)

Notícias

Superintendência do Cade instaura processo contra operadores portuários de Itajaí (SC)

Processo Administrativo

Investigação apura cobrança indevida da taxa THC2
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 11/12/2018 09h40 última modificação: 11/12/2018 09h40

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (SG/Cade) instaurou processo administrativo para apurar suposta conduta de abuso de posição dominante por parte da Portonave Terminais Portuários de Navegantes e da APM Terminals Itajaí, empresas que operadoram no Complexo Portuário de Itajaí, em Santa Catarina. O despacho foi publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira (11/12).

A apuração do caso teve início em novembro de 2016, a partir de representação feita pela empresa Localfrio Armazéns Gerais Frigoríficos, prestadora de serviço de armazenagem alfandegada no Complexo Portuário de Itajaí. De acordo com as alegações, Portonave e APM Terminals estariam cobrando indevidamente dos recintos alfandegados independentes uma taxa adicional à tarifa básica, denominada informalmente como THC2, para a movimentação em solo de cargas originárias de importação.

Segundo o parecer da SG/Cade, há fortes indícios de que a cobrança da taxa THC2 afeta negativamente a livre concorrência no mercado, prejudicando a atividade dos recintos alfandegados independentes, e tornando-os uma opção menos competitiva para os importadores.

Com a abertura do processo administrativo, que tramitará separadamente para as duas empresas, os representados serão notificados para apresentar defesa. Ao final da instrução processual, a Superintendência-Geral opinará pela condenação ou arquivamento do processo, e encaminhará o caso para julgamento pelo Tribunal do Cade, responsável pela decisão final.

Entenda o THC2

Na importação de mercadorias, o THC (Terminal Handling Charge) é a tarifa básica que o armador (responsável pelo transporte marítimo e entrega da carga do importador que o contratou no porto de destino) paga ao operador portuário (responsável pela operação de descarga dos navios e entrega da carga no local de armazenagem). A tarifa engloba as despesas de movimentação horizontal dos contêineres em terra, do momento do descarregamento do navio até a entrega ao recinto alfandegado (responsável pela armazenagem e despacho aduaneiro de mercadorias procedentes do exterior) contratado pelo importador.

Usualmente, os operadores portuários, como Portonave e APM Terminals, também prestam serviços de armazenagem, concorrendo nesse mercado com os recintos alfandegados independentes. A THC2 consiste na cobrança pelo operador portuário de outra tarifa, adicional à tarifa básica, a título de “segregação de contêineres”, dos recintos alfandegados independentes.

A Localfrio, no entanto, alega que a cobrança seria indevida, já que o serviço de “segregação de contêineres” estaria incluso na tarifa básica paga pelo armador, o agente que efetivamente contrata os serviços do operador portuário.

Além disso, afirma que, como Portonave e APM detêm poder de mercado no Complexo Portuário de Itajaí e possuem área de armazenamento, um aumento de custo imposto aos recintos alfandegados independentes acaba por desviar demanda para o próprio operador, que não arca com esse mesmo custo. Assim, a cobrança de THC2 tornaria os recintos alfandegados uma opção menos competitiva para os importadores.